Agende uma consulta
  • captcha

Pílula do Dia Seguinte

A contracepção oral de emergência, também chamada de ”pílula do dia seguinte” ou “pílula pós-coito”, é utilizada em casos em que houve uma relação sexual sem uso de outro método de anticoncepção, quando há falha no uso da camisinha (quando ela “estoura”), esquecimento de duas ou mais pílulas, atraso da injeção anticoncepcional ou em casos de estupro.

A pílulado dia seguinte é um método contraceptivo?

Não, ela deve ser utilizada em situações de emergência, como o próprio nome diz e não como método anticoncepcional habitual. A sua eficácia é inferior a outros métodos anticoncepcionais e não protege contra doenças sexualmente transmissíveis, portanto não deve ser utilizada rotineiramente. Ela apresenta uma dose alta de hormônio, maior que a das pílulas comuns, causando mais efeitos colaterais, além do risco maior de engravidar. A pílula comum tem um risco de engravidar de aproximadamente 0.1% enquanto que, com a pílula do dia seguinte, esta taxa aumenta para 15% após 24 horas.

Qual o seu mecanismo de ação?

O mecanismo de ação da pílula do dia seguinte não é totalmente conhecido. Acredita-se que, dependendo da fase do ciclo que a mulher esta, ele terá uma ação diferente: inibição ou atraso na ovulação, alteração do transporte do óvulo na trompa e interferência na fertilização, dificultando o encontro do espermatozóide com o óvulo. Se já houver acontecido a implantação do óvulo fecundado no útero, a pílula não terá efeito.

Qual a eficácia da pílula do dia seguinte?

A eficácia da anticoncepção de emergência depende diretamente da precocidade do seu uso, ou seja, quanto mais rápido acontecer a ingesta da pílula após a relação sexual desprotegida, maior é sua eficácia. Se houver ingestão da pílula do dia seguinte até 24 horas da relação sexual desprotegida, a eficácia em evitar uma gravidez é em torno de 95%. Após 24 a 48 horas, esta eficácia cai para 85% e entre 48 e 72 horas, apenas 58% das gestações são evitadas. Após 72 horas, ela não deve ser utilizada.

Como devo tomar a pílula do dia seguinte?

Há várias opções de anticoncepção de emergência disponíveis. Na maioria das vezes são 2 pílulas contendo 750mcg de levonorgestrel (um hormônio do tipo progesterona) cada – a primeira pílula deve ser tomada o mais rápido possível após a relação sexual e o segundo comprimido deve ser tomado após 12 horas. Na apresentação com dose única, deve se ingerir o comprimido o mais rápido possível após a relação sexual.

É importante que a mulher passe em consulta com um ginecologista antes de usar qualquer método anticoncepcional para avaliar se esta pílula esta indicado no seu caso e se não há contra-indicação para o seu uso. Ela deve ser sempre utilizada com receita médica.

Quais são os efeitos colaterais?

Os principais efeitos colaterais são: naúseas, diarréia, tontura, dor de cabeça, dor na barriga ou nas mamas. Geralmente as mulheres apresentam também alteração na menstruação – que pode adiantar ou atrasar, haver um aumento do fluxo, menstruação irregular ou pontilhada.

Ela tem contra – indicações?

Sim. Ela não dever ser usada se suspeita de gravidez ou gravidez confirmada. Em mulheres com doença cardiovascular grave, obesidade mórbida ou doenças severas no fígado, ela esta contra-indicada pois a quantidade alta de hormônio pode provocar coagulos no sangue.

Posso deixar de usar a camisinha e só tomar a pílula ?

Não. A pílula do dia seguinte não protege contra doenças sexualmente transmissíveis, portanto ela não substitui o uso da camisinha.

Depois que tomar a pílula do dia seguinte, preciso usar algum outro método ou estou protegida contra uma gravidez até a próxima menstruação?

É preciso usar outro método anticoncepcional após o uso da pílula do dia seguinte. Como ja foi dito, ela não é um método anticoncepcional e portanto não protege a mulher de ficar gravida nas proximas relações sexuais.