Agende uma consulta
  • captcha
Share on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Facebook

Dr. Fernando de Araujo – Ortopedista – escreve sobre Lombalgia (Dor Lombar)

Lombalgia ou dor lombar se refere a dor que acomete a parte posterior baixa das costas. As primeiras descrições de dor lombar datam da época de Hipócrates (470 AC), em que eram descritos alguns tipos de manipulação e tração para o tratamento destas dores. No entanto o início da lombalgia, segundo algumas teorias, é muito mais antigo e deve-se a postura bípede que o ser humano assumiu durante a evolução. Esta postura aumenta a chance de eventos degenerativos que acometem a unidade funcional da coluna. A coluna é composta de aproximadamente 33 vértebras, entre cada vértebra esta um disco intervertebral, que é um tipo de amortecedor formado basicamente de colágeno. A unidade funcional é o conjunto de duas vértebras, um disco e as articulações posteriores chamadas facetas.

A lombalgia é uma doença com alta prevalência, existindo grande relação entre a presença da mesma e a falta ao trabalho, gerando altos custos econômicos diretos e indiretos à sociedade. Estima-se que cerca de 80% das pessoas tenham um episódio de lombalgia durante a vida, incluindo etiologias diversas: ortopédicas, vasculares, genitourinárias, ginecológicas, abdominais, inflamatórios e infecciosos.

A parte anterior da coluna é composta pelos corpos vertebrais e discos, suportando em média 80-90% da carga enquanto os elementos posteriores, principalmente as facetas, suportam de 10-20% da carga. A pressão nessas estruturas varia drasticamente com a posição do corpo, sendo maior em até 40% com o paciente sentado, e diminuindo mais de 50% com o paciente deitado, considerando o valor normal de 100 UI com o paciente em pé com os braços ao longo do corpo, sendo provavelmente este o motivo da lombalgia piorar com determinadas posições e melhorar com outras.

“RED FLAGS”

São sinais que podem estar presentes na avaliação do paciente que levam a pensar em doenças específicas e necessitam investigação adicional por exame de imagem no atendimento inicial

  • Síndrome da cauda Equina ( alteração miccional; perda do tônus do esfíncter anal ou incontinência fecal; anestesia em sela; fraqueza motora progressiva nos MMII)
  • Alteração da Micção
  • perda do tônus do esfíncter anal ou incontinência fecal
  • fraqueza motora progressiva ou distúrbio da Marcha
  • Dor Constante, intensa ou progressiva (principalmente a noite ou com repouso)
  • Traumatismo
  • Febre
  • Perda inexplicável de peso corporal
  • História de Câncer
  • Idade inferior a 18 anos, com dor considerável; idade superior a 50 anos
  • Usuário de Drogas Intravenosas ou esteróides
  • AIDS, Doenças sistêmicas
  • Restrição importante e persistente da amplitude dos movimentos da coluna lombossacra
  • Doenças inflamatórias (Espondilite anquilosante, Artrite Reumatóide

Quando indicar Tomografia computadorizada?

A tomografia computadorizada tem sua maior indicação nos casos de lombalgia ocasionada por trauma agudo com suspeita de fratura ( caracterizar a extensão da fratura, comprometimento do canal) ou nos pacientes com indicação de ressonância mas que apresentam alguma restrição (marca-passo, implantes metálicos não compatíveis, claustrofobia,…)

Quando indicar Ressonância Magnética?

  • Suspeita de tumor ou metástase
  • Osteomielite/discite da coluna vertebral
  • Abscesso paravertebral
  • Síndrome da Cauda Equina
  • Hérnia discal
  • Diagnóstico diferencial entra fratura antiga e recente