Agende uma consulta
  • captcha

Impotência Sexual – Disfunção Erétil: Acertos e Erros no Tratamento

– Quando é correto tratar disfunção erétil com medicações injetáveis no pênis? – Existe tratamento em que o homem não precisa usar medicação para ter relação sexual? – É certo tratar um paciente que teve sua primeira falha com uso de Viagra ou outras medicações via oral? Essas e outras perguntas serão respondidas ao longo desse texto. O objetivo disso é esclarecer a razão dos acertos e erros no tratamento da disfunção sexual ( impotência ) .
1) O que é disfunção erétil? Quando devo procurar um Urologista? Disfunção Erétil, também conhecida como impotência sexual , é definida pela incapacidade de obter ou manter ereção do pênis. Estão incluídos nesse diagnóstico os casos em que o pênis fica parcialmente ereto mas não o suficiente para ter penetração durante a relação sexual. Muitos homens tem uma experiência de episódica de falha em alcançar ereção e que pode ocorrer por diferentes razões: ingestão excessiva de álcool, problemas emocionais, cansaço excessivo, estresse, dificuldades no relacionamento… Existe necessidade de procurar um Urologista quando esses eventos começam a ser freqüentes indicando que deve haver algum problema relacionado à ereção e o tratamento adequado pode ser bastante útil.
2) Como a ereção ocorre? O que ocorre no homem apos estimulação sexual é que a parte sensorial do cérebro envia impulsos através da medula nervosa e nervos periféricos até o pênis . Esses impulsos liberam neurotransmissores no pênis que determinam a dilatação das artérias permitindo que haja um aumento do fluxo de sangue . A parte esponjosa do pênis ( corpo cavernoso) absorve grande parte desse sangue e se expande , como conseqüência esses corpos cavernosos comprimem as veias responsáveis pela drenagem do pênis. Simplificando, muito sangue chega ao pênis e pouco sangue sai resultando na ereção do pênis.
3) Quais são as causas de Difunção Erétil? Tudo aquilo que possa interferir no processo de ereção descrito acima pode causar Disfunção Erétil As principais causas são:

  • Psicogênica: normalmente relacionada a Ansiedade sobretudo a “ansiedade de performance “ no qual o medo de falhar prejudica o envolvimento na relação e interfere na fisiologia da ereção . Além de ansiedade, depressão é outra causa psicogênica bem como o uso de certos antidepressivos.
  • Orgânica: relacionada a algum problema vascular, neurológico ou hormonal dificultando mecanismo de ereção. Essa é a principal causa de disfunção erétil, principalmente em homens idosos.
  • Arterial: pode ser causado por trauma vascular mas a principal causa é arteriosclerose. Evitar os fatores de risco para arteriosclerose previnem e auxiliam o tratamento de disfunção erétil.
  • Venoso: “escape venoso” é outra importante causa vascular que comumente está associado a Disfunção erétil pós cirurgia de próstata.
  • Neurológico: existem muitos problemas nos nervos que podem causar disfunção sexual como diabetes, alcoolismo, esclerose múltipla, lesão medular(ex: paraplégicos, tetraplégicos…), lesão dos nervos durante cirurgias pélvicas(próstata, reto, bexiga…).
  • Diabetes: estima-se que 35 a 50 % dos homens diabéticos dos Estados Unidos tem disfunção erétil. O diabetes é responsável por vasculapatia que dificulta dilatação dos vasos e por neuropatia periférica prejudicando os nervos da ereção.
  • Medicações: Medicações para tratamento de hipertensão, ansiedade, antidepressivos, glaucoma, quimioterapia são algumas das diversas medicações que podem interferir na ereção .
  • Hormonal: Anormalidade hormonal tais como aumento da Prolactina , uso de anabolizantes, hipo ou hipertiroidismo , medicações envolvidas no tratamento de hormonioterapia para câncer de próstata, baixa produção de testosterona com o envelhecimento (Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino – DAEM – “andropausa”).
  • Ejaculação precoce: paciente não consegue manter ereção apos ejaculação. Pode estar associada a problemas psicogênicos.
  • Outras causas: lesões cerebrais que podem ou não afetar libido/ereção, opção sexual, doenças crônicas(pulmonares, hepáticas, cardíacas, renais, câncer…).

4) Quais são as opções de tratamento de Disfunção erétil ? Como foi descrito na questão anterior existem diferentes problemas de saúde que causam difunção erétil. A maneira correta de tratar a disfunção erétil é agir na causa do problema . Por isso a importância em realizar uma boa história clínica identificando as circunstâncias em que a disfunção erétil iniciou, doenças associadas, medicações, exame físico e investigação laboratorial completa. Esses são alguns dos exemplos de tratamento :

  • – Mudança da prescrição de medicações para hipertensão, depressão , ansiedade.
  • – Reposição hormonal – para quem tem níveis de testosterona abaixo da normalidade
  • – Tratamento do hiper ou hipotiroidismo
  • – Bromocriptina para hiperprolactinemia
  • – Mudança de Hábitos: exercício físico, parar de fumar, evitar álcool e drogas.
  • – Psicoterapia – causas psicogênicas

A depender do caso o médico Urologista pode introduzir os tratamentos específicos de Disfunção Erétil

  • Medicações Via Oral: Viagra(Sildenafil), Levitra(Vardenafil), Cialis(Tadalafi), Heleva(Iodenafil) – todas facilitam o fluxo sanguíneo para o pênis com o estímulo sexual. Apresentam mecanismo de ação, tempo de duração e efeitos colaterais diferentes.
    Não são recomendadas a homens que fazem uso de Nitrato ( cardiopatas), ou que tiveram infarto , AVC ou arritmia grave recente.
  • Medicações Injetáveis: Alprostadil, Papaverina-vasodilatadores injetados diretamente no pênis, não necessitam de estímulo sexual para induzir ereção. Os homens devem ser orientados por um Urolgista pelo risco de priapismo, hematoma e fibrose peniana com seu uso repetidas vezes.
  • Dispositivo a vácuo: Dispositivo colocado no pênis que promove aumento do fluxo sanguíneo ao corpo cavernoso do pênis por meio do vácuo. Completada ereção o dispositivo é retirado sendo colocado uma banda /anel de borracha na base do pênis para prolongar ereção.
  • Cirurgia de Próteses Penianas: Colocação de prótese semi-rígida ou inflável no interior do corpo cavernoso do pênis substituindo esponja que existe dentro dele. Normalmente indicado como último recurso no tratamento de disfunção erétil.

5) Quando é correto tratar disfunção erétil com medicações injetáveis no pênis? O uso consensual no mundo de medicações injetáveis está indicado quando o paciente permanece com disfunção erétil mesmo pós tratamento das causas que acarretaram esse problema e que não tiveram resposta com medicações via oral(Viagra, Cialis, Levitra e Heleva). Outra indicação consensual é o desejo dos pacientes ( preferência do paciente) , que normalmente já testaram os outros tratamentos citados. * Excetuando esses casos a indicação com primeira opção de tratamento e/ou não respeitando o discutido nesse texto é controversa.
6) Existe tratamento em que o homem não precisa usar medicação para ter relação sexual? Sim, seguindo os tratamentos que agem na causa do problema como por exemplo:

  • – Psicoterapia
  • – Reposição hormonal
  • – Tratamento de hiperprolactinemia
  • – Mudança comportamental
  • – Tratamento de hiperprolactinemia
  • – Tratamento de hiper/hipotiroidismo

7) É certo tratar um paciente que teve sua primeira falha com uso de Viagra ou outras medicações via oral? Não. Apenas 1 falha não significa que o paciente tem disfunção erétil e por isso precisa ser tratado. Na persistência de episódios não bem sucedidos na relação sexual é recomendado ao homem procurar um Urologista que por sua vez deverá investigar a causa do problema antes de introduzir medicações específicas para disfunção erétil. 8) É recomendado ao homem com Disfunção Erétil falar do problema com a parceira(o)? Disfunção Erétil pode causar dificuldade no relacionamento do casal. Normalmente o homem procura evitar situações mais íntimas,preliminares da relação por temerem o desconforto da possibilidade de não ereção, podendo causar na parceira(o) a inadequada sensação de rejeição . É recomendado ao homem compartilhar desse problema com a parceira(o) para que juntos procurem um tratamento. A não comunicação com a parceira(o) dificulta o tratamento e prolonga o sofrimento. Não hesitar em procurar o Urologista tem 2 importantes razões:

  • – A primeira é que disfunção erétil pode ser a primeira manifestação de problemas sistêmicos mais graves como cardiopatias, diabetes, problemas hepáticos e que por isso podem ser diagnosticados.
  • – A segunda e boa notícia é que Disfunção Erétil normalmente tem tratamento eficaz, seguro e com altas taxas de sucesso.

Diante da persistente incapacidade de ter ou manter ereção procure um Urologista.