Agende uma consulta
  • captcha

Cólica Menstrual pode ser um sinal de Endometriose

Endometriose

É com frequência que encontramos mulheres jovens queixando-se de cólicas menstruais intensas que chegam a impossibilitá-las de exercer suas atividades do dia a dia. Geralmente essas mulheres já passaram por alguns médicos que apenas receitaram analgésicos, prescreveram uma pílula anticoncepcional e não se aprofundaram na investigação da causa de tamanha dor.

A Endometriose é uma doença que acomete 6 a 12% das mulheres em idade fértil e caracteriza-se pela presença de tecido endometrial fora de sua localização correta. O endométrio é o tecido que reveste a camada interna do útero; é ele quem sofre uma descamação cíclica, também conhecida como menstruação. Na endometriose podemos encontrar o endométrio junto ao intestino, ovários, peritônio, bexiga, dentre inúmeras outras topografias.

Estudos identificaram que do início dos sintomas até o diagnóstico de endometriose transcorrem de 8 a 10 anos. Ou seja, do momento em que a mulher se queixa pela primeira vez de algum sintoma de endometriose, até o momento em que se faz o diagnóstico transcorre-se todo esse tempo.

A endometriose é uma doença benigna, que pode acarretar piora importante da qualidade de vida da mulher. Os principais sintomas podem ser cólicas menstruais intensas (dismenorréia), dor pélvica crônica, dor durante relação sexual (dispareunia), infertilidade, alterações intestinais e/ou urinárias cíclicas (que ocorrem concomitantes ao fluxo menstrual), dentre outros. Os sintomas são, de modo geral, dependentes da localização da doença.

O diagnóstico é presumido através das queixas da paciente, e através de algumas alterações que o médico identifica durante um exame físico minucioso. Os exames de imagem como o Ultrassom Transvaginal Especializado e/ou a Ressonância Nuclear Magnética tem papel fundamental na avaliação da mulher com suspeita de endometriose e apresentam acurácia diagnóstica ao redor de 95%.

O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico e deve sempre ser individualizado. É importante que a mulher procure um ginecologista especializado na abordagem dessa doença para que o tratamento adequado seja oferecido e ela possa desfrutar do máximo de ganho de qualidade de vida!